Pesca de Siri: Tradição em nossa região

Pesca de Siri: Tradição em nossa região

Você já se deu conta de como aumenta o número de pescadores no verão. Além de ser divertida a prática é considerada anti stress, período de meditação e reflexão já que a paciência é fator dominante para uma boa pescaria.
Nas praias da nossa região outra prática comum é a pesca de siri na beira da praia. A atividade é considerada uma ótima oportunidade de lazer para toda a família. Grupos de amigos se reúnem para uma verdadeira festa atrás do crustáceo mais requisitado nos bares e restaurantes.
Isso mesmo, para quem não conhece o siri é um crustáceo cientificamente classificado como “crustacea” (carapaça dura), “decapoda” (dez patas), “brachyura” (cauda reduzida), da família dos portunídeos. A principal característica externa que os diferencia dos demais decápodes, como os caranguejos por exemplo, é a modificação de seu último par de apêndices locomotores (patas), que assumem a forma de nadadeiras.
O equipamento mais comum, e barato, para a captura do siri é a coca ou puçá. O material consiste num aro de metal fechado com um cabo, tendo uma rede amarrada a ele. Os estudiosos da fauna marinha orientam que, para garantir que sempre existam siris onde pescamos, os indivíduos pequenos e as fêmeas ovadas devem ser devolvidos à água.

Certa época do ano, o siri troca de carapaça, devido ao crescimento do corpo do animal. A nova casca leva algumas horas para endurecer, e nesse período ele é conhecido como siri mole, e se torna muito mais saboroso.
No vídeo abaixo temos imagens da tradicional pesca de siri na beira da praia, em Laguna.