Casos e mortes suspeitas por febre amarela em MG reacendem alerta em SC

Casos e mortes suspeitas por febre amarela em MG reacendem alerta em SC

Apesar do estado não registrar casos da doença desde 1966, a vacinação é indicada para 100% da população dos 162 municípios catarinenses que integram a Área com Recomendação de Vacina contra Febre Amarela

Florianópolis

O incentivo à imunização contra a febre amarela é reforçado pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Estado da Saúde em razão das notificações de 12 casos e cinco óbitos suspeitos da doença, em seis municípios de Minas Gerais. Entre dezembro e maio é o período de maior número de casos com transmissão considerada possível em grande parte do Brasil.

Apesar de Santa Catarina não registrar casos de febre amarela em humanos desde 1966 (ocorridos no extremo-oeste), a vacinação contra a doença é indicada para 100% da população dos 162 municípios catarinenses que integram a Área com Recomendação de Vacina contra Febre Amarela (ACRV).

Além da população residente nestas cidades, a vacinação é recomendada para todas as pessoas que moram ou viajam para regiões silvestres, rurais ou de mata de qualquer um dos 3.530 municípios brasileiros considerados ACRV. Esses municípios são localizados em todos os estados das regiões Norte e Centro-Oeste; em Minas Gerais e no Maranhão e em alguns municípios do Piauí, Bahia, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Conforme Eduardo Macário, diretor da Vigilância Epidemiológica de SC, quem ainda não é vacinado e pretende viajar para essas áreas deve procurar um posto pelo menos dez dias antes da viagem. Pessoas que ainda não foram vacinadas ou que receberam apenas uma dose há mais de dez anos, devem se imunizar contra a febre amarela. A vacina é indicada para as pessoas acima de 9 meses de idade, tendo eficácia de 95%, produzindo anticorpos protetores a partir do 10º dia após a vacinação”, alerta. Confira os 162 municípios catarinenses que integram a ACRV no site do governo do estado (http://www.sc.gov.br/) .

Como se proteger da doença

A imunização oferece total proteção contra a febre amarela, que pode ter curta duração ou evoluir para formas graves e levar até mesmo à morte. A vacina é gratuita e está disponível nas salas de vacinação das unidades de saúde pública em Santa Catarina.

O Ministério da Saúde definiu a manutenção de duas doses da vacina contra febre amarela no calendário nacional, sendo o esquema vacinal uma dose aos 9 meses de idade com reforço aos 4 anos. Para pessoas de 2 a 59 anos, a recomendação é duas doses. “Idosos, gestantes e lactantes devem ser avaliados previamente por médicos antes de serem vacinados”, explica Vanessa Vieira da Silva, gerente de Imunização da Vigilância Epidemiológica.

“Estamos sentados em uma bomba-relógio”

O epidemiologista Eduardo Massad, da Universidade de São Paulo (USP), destaca que já era esperado um surto maior da febre amarela silvestre, mas que é motivo, sim, de preocupação. “Estamos sentados em uma bomba-relógio”, disse. “Precisamos entender o risco de reintrodução de febre amarela urbana, o que seria uma enorme tragédia, talvez maior do que zika, dengue e chikungunya juntas – porque ela mata quase 50% das pessoas que não são tratadas”.

A febre amarela é considerada endêmica nas regiões rurais e de mata do Brasil, onde é transmitida por mosquitos de espécies diferentes, como o Haemagogus e o Sabethes, para macacos e, ocasionalmente, para humanos não vacinados.

vacina-febre-amarela
Governo recomenda vacinação de quem mora ou vai viajar para áreas rurais e de mata – Foto: Divulgação/Portal Notisul