Iata

Colunas

As crianças aprendem o que vivenciam

Patrícia Pozza - patricia@em-revista.com

18 de Outubro de 2010 às 00:00min

Patrícia Pozza
Apresento neste espaço este poema, de Dorothy Law Nolte, acreditando também que não só as crianças aprendem o que vivenciam, mas todos nós. Então, ao ler “As crianças”, troque para “as pessoas”, a fim de que você perceba a importância das nossas relações como a de casal, a pai e filho, professor aluno, as de trabalho, as de amizade, as da vida em comum.

“Se as crianças vivem ouvindo críticas, aprendem a condenar.
Se convivem com a hostilidade, aprendem a brigar.
Se as crianças vivem com medo, aprendem a ser medrosas.
Se as crianças convivem com a pena, aprendem a ter pena de si mesmas.
Se vivem sendo ridicularizadas, aprendem a ser tímidas.
Se convivem com a inveja, aprendem a invejar.
Se vivem com vergonha, aprendem a sentir culpa.
Se vivem sendo incentivadas, aprendem a ter confiança em si mesmas.
Se as crianças vivenciam a tolerância, aprendem a ser pacientes.
Se vivenciam os elogios, aprendem a apreciar.
Se vivenciam a aceitação, aprendem a amar.
Se vivenciam a aprovação, aprendem a gostar de si mesmas.
Se vivenciam o reconhecimento, aprendem que é bom ter um objetivo.
Se as crianças vivem partilhando, aprendem o que é generosidade.
Se convivem com a sinceridade, aprendem a veracidade.
Se convivem com a equidade, aprendem o que é justiça.
Se convivem com a bondade e a consideração, aprendem o que é respeito.
Se as crianças vivem com segurança, aprendem a ter confiança em si mesmas e naqueles que as cercam.
Se as crianças convivem com a afabilidade e a amizade, aprendem que o mundo é um bom lugar para se viver”.

Enquete

• Você concorda com os pontos facultativos decretados pelo poder público em época de feriados prolongados?

Opções
Veja enquetes anteriores

Colunas e blogs

Ver todas as colunas

Virtualiza Comunicação