Alessandra Psicóloga

Colunas

O que é transtorno de aprendizagem

Patrícia Pozza - patricia@em-revista.com

23 de Outubro de 2009 às 00:00min

Patrícia Pozza
Os transtornos de aprendizagem compreendem uma inabilidade específica na aprendizagem, como a fala, a leitura, a escrita ou a matemática. Esta inabilidade manifesta-se em indivíduos que apresentam resultados significativamente abaixo do esperado para o seu nível de desenvolvimento, escolaridade e capacidade intelectual.

Em 1988, o National Joint Comittee on Learning Disabilities apresentou uma conceituação muito bem aceita e aplicada ainda hoje sobre os problemas de aprendizagem:
“Dificuldade de aprendizagem é um termo geral que se refere a um grupo heterogêneo de transtornos manifestados por dificuldades significativas na aquisição e uso da escuta, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. Estes transtornos são intrínsecos ao indivíduo, supondo-se que são devido à disfunção do sistema nervoso central, e podem ocorrer ao longo do ciclo vital. Podem existir junto com as dificuldades de aprendizagem, problemas nas condutas de autorregulação, percepção social e interação social, mas não constituem por si próprias, uma dificuldade de aprendizado. Ainda que as dificuldades de aprendizado possam ocorrer concomitantemente com outras condições incapacitantes como, por exemplo, transtornos emocionais graves ou com influências extrínsecas (tais como as diferenças culturais, instrução inapropriada ou insuficiente), não são o resultado dessas condições ou influências”.

A causa dos transtornos de aprendizagem ainda não foi esclarecida pelos cientistas, embora haja algumas hipóteses sobre estas. Sabe-se apenas que estes derivam de vários fatores, havendo “uma suposição de primazia de fatores biológicos, os quais interagem com fatores não-biológicos”.
É importante salientar que os transtornos não podem ser consequência de:
• Falta de oportunidade de aprender;
• Descontinuidades educacionais resultantes de mudanças de escola;
• Traumatismos ou doença cerebral adquirida;
• Comprometimento na inteligência global;
• Comprometimentos visuais ou auditivos não corrigidos.

Atualmente, acredita-se na origem dos transtornos de aprendizagem a partir de distúrbios na interligação de informações em várias regiões do cérebro, os quais podem ter surgido durante o período de gestação.
O desenvolvimento cerebral do feto é um fator importante que contribui para o processo de aquisição, conexão e atribuição de significado às informações, ou seja, da aprendizagem. Dessa forma, qualquer fator que possa alterar o desenvolvimento cerebral do feto facilita o surgimento de um quadro de transtorno de aprendizagem, que possivelmente só será identificado quando a criança necessitar expressar as suas habilidades intelectuais na fase escolar.

Existem fatores sociais que também são determinantes na manutenção dos problemas de aprendizagem, e entre eles o ambiente escolar e contexto familiar são os principais componentes desses fatores. Quanto ao ambiente escolar, é necessário analisar a motivação e a capacitação da equipe de educadores, a qualidade da relação professor-aluno-família, a proposta pedagógica, e o grau de exigência da escola. Em relação ao ambiente familiar, famílias com alto nível sociocultural podem negar a existência de dificuldades escolares da criança. Há também casos em que a família apresenta um nível de exigência muito alto, com a visão voltada para os resultados obtidos, podendo desenvolver na criança um grau de ansiedade que não permite um processo de aprendizagem adequado.

Enquete

• Você acha que resultados de pesquisas podem realmente influenciar na decisão do voto do eleitor?

Opções
Veja enquetes anteriores

Colunas e blogs

Ver todas as colunas

Virtualiza Comunicação