Sul catarinenses são presos por esquema de cidadania ilegal a brasileiros

Sul catarinenses são presos por esquema de cidadania ilegal a brasileiros

Os policiais da cidade de Augusta, em Siracusa, no Sul da Itália, prenderam sete pessoas, nesta quinta-feira (18), acusadas de cometer crimes no processo de cidadania ilegal de cerca de 500 brasileiros.

De acordo com as informações da polícia italiana, o dono da assessoria para brasileiros, de 43 anos, foi preso e levado a um centro de detenção. Sua esposa e também funcionária da empresa, de 32 anos, e o irmão do empresário, de 29 anos, foram colocados em prisão domiciliar. Os três são naturais do Sul do Estado e atuavam na Itália. Os três são acusados por corrupção, lavagem de dinheiro e favorecimento à permanência ilegal no território italiano de cidadãos estrangeiros.

Mais três presos

Mais três envolvidos no esquema foram presos, em regime domiciliar. Um homem, de 66 anos, funcionário do escritório de serviços demográficos da cidade de Augusta; um outro funcionário, de 64 anos, responsável pelo escritório de estado civil da cidade de Floridia; e um terceiro, de 62 anos, empregado no escritório de estado civil também de Floridia.

Eles são acusados, na qualidade de funcionários públicos, de terem recebido do empresário e de seu irmão, algumas centenas de euros por caso, para realizar ou permitir atos contrários ao dever do ofício. Ainda de acordo com a denúncia, os funcionários públicos aceleravam os procedimentos de liberação de passaportes por ‘jus sanguinis’.

Já outro funcionário da localidade de Siracusa foi impedido de atuar em suas funções e foi preso em domiciliar. Batizada de “Siracusao Maravigliao”, a operação revelou que cerca de 500 brasileiros, que não tinham o direito de obter a cidadania italiana, entravam com a ação pagando cerca de 3,5 mil euros para obter o benefício ilegalmente.

Fonte: Engeplus